Newsletter Jaci

Inscreva-se na nossa newsletter e receba no seu e-mail as melhores dicas e promoções exclusivas.


Procurar

Jaci Natural

  /  Sustentabilidade   /  Nossa filosofia | Biodegradabilidade

Nossa filosofia | Biodegradabilidade

A Jaci acredita que a beleza é muito mais do que algo externo e estético. Acreditamos que beleza é estar em harmonia com o nosso corpo, com o ambiente em que vivemos e com os seres ao nosso redor. É impossível atingir essa harmonia se nossas atividades tiverem impactos negativos no mundo. Por isso, nossa filosofia se baseia nos seguintes pilares: biocompatibilidade, biodegradabilidade, veganismo, consumo local, minimalismo, transparência, lixo consciente e feito à mão.

Hoje, dia 5 de junho, é o dia mundial do meio ambiente. Por isso, em homenagem a essa data e para que vocês nos conheçam um pouco melhor, vamos falar um pouco sobre o significado de cada um desses pilares, a importância de cada um para a sustentabilidade do nosso negócio e o que fazemos para efetivamente colocá-los em prática. Hoje vamos começar falando da biodegradabilidade.

A biodegradabilidade é um pilar essencial para nós. Fazemos questão que todos os nossos ingredientes sejam biodegradáveis. Mas por que isso é tão importante?
Usando ingredientes biodegradáveis, evitamos que substâncias nocivas e poluentes vão ralo abaixo após o uso no banho. Todos os dias, com o uso de cosméticos, jogamos nas nossas águas uma infinidade de poluentes invisíveis. O tratamento de esgoto infelizmente não é eficiente na remoção dessas substâncias, e por isso, elas vão parar nos nossos rios e oceanos e, consequentemente, contaminam todo o ecossistema e a todos nós.
Essa poluição invisível é extremamente perigosa. A maioria dessas substâncias são bioacumulativas, e tem uma baixa taxa de degradação. Além de poluirem as águas, causam danos, pois alteram a bioquímica dos seres vivos, podendo até levá-los à morte. Quando não são mortos, essas toxinas vão parar no nosso prato – no nosso alimento. Imaginem aonde vamos parar se não repensarmos o nosso consumo? Nossos oceanos de água e vida marinha se transformarão pouco a pouco em verdadeiros mares de petróleo e outras substâncias tóxicas.

Quer saber quais são as substâncias a serem evitadas e os seus impactos no meio ambiente? Confira a lista a seguir:

Óleo mineral

Esse ingrediente é um subproduto da indústria de petróleo, e possui diversas aplicações na indústria – além de ser usado na indústria de cosméticos e alimentícia, é também usado nas máquinas industriais como lubrificante, como fluído hidráulico, etc. Nos cosméticos, é muito usado em condicionadores, máscaras de tratamento, leave-ins, produtos de banho, de limpeza, produtos para a pele, produtos para barbear, bronzeadores, etc… Porém, ele é nocivo e tóxico à fauna, à flora e às espécies marinhas, pois não é biodegradável e tem efeito cumulativo no ecossistema. [1]

Pode vir escrito nas embalagens das seguintes formas: DEOBASE; HEAVY MINERAL OIL; LIGHT MINERAL OIL; LIQUID PARAFFIN; LIQUID PETROLATUM; PARAFFIN OIL; PARAFFIN OILS; PARAFFINUM LIQUIDUM; PETROLEUM WHITE MINERAL OIL; PROLATUM OIL; WHITE MINERAL OIL, PETROLEUM

Silicone

Estão presentes no nosso cotidiano na forma de borrachas, fluidos, emulsões, graxas e etc. Dentre as qualidades dos silicones estão sua longevidade, permeabilidade e elasticidade. Os silicones são amplamente usados em cosméticos, tanto capilares quanto produtos para a pele. Compostos de silicones são utilizados em uma gama de produtos capilares: shampoos, condicionadores, máscaras de tratamento, finalizadores, colorantes, etc. Conferem propriedades como brilho, facilidade no pentear e diminuição do frizz, além de melhorar o aspecto sensorial dos produtos. O problema é que essas moléculas são quimicamente inertes – ou seja, são muito estáveis. Elas levam de 400 a 500 anos para se decompor, e por isso, tem um alto potencial poluente. [2]

Pode vir escrito nas embalagens das seguintes formas:  DIMETHICONE COPOLYOL, HYDROLYZED WHEAT PROTEIN HYDROXYPROPYL POLYSILOXANE, LAURYL METHICONE COPOLYOL, PEG-33(E)PEG-8DIMETHICONE(E)PEG-14, PEG-7 AMODIMETHICONE, DIMETHICONE PEG-8 PHOSPHATE, AMMONIUM DIMETHICONE PEG-7 SULFATE, DIMETHICONE PEG-8 ADIPATE, DIMETHICONE PEG-8 BENZOATE, DIMETHICONE PEG-7 PHOSPHATE, DIMETHICONE PEG-10 PHOSPHATE, DIMETHICONE PEG/PPG-20/23 BENZOATE, DIMETHICONE PEG/PPG-7/4 PHOSPHATE, DIMETHICONE PEG/PPG-12/4 PHOSPHATE, PEG-(NÚMERO) DIMETHICONE, PEG/PPG-(NÚMERO) DIMETHICONE, PEG-40/PPG-8 METHYLAMINOPROPYLDIMETHICONE CROSSPOLYMER, AMODIMETHICONE, CETEARYL METHICONE, CETYL DIMETHICONE, CYCLOMETHICONE, CYCLOPENTASILOXANE, DIMETHICONE, DIMETHICONOL, DIMETHICONE CROSSPOLYMER, VINYL DIMETHICONE CROSSPOLYMER, VINYL DIMETHICONE, METHICONE SILSESQUIOXANE CROSSPOLYMER, CETEARYL METHICONE, CETYL DIMETHICONE, BEHENOXY DIMETHICONE, STEAROXY DIMETHICONE, STEARYL DIMETHICONE, TRIMETHYLSILYLAMODIMETHICONE, SIMETHICONE, POLYDIMETHYLSILOXANE, METHICONE, PHENYL TRIMETHICONE, DIMETHYLPOLYSILOXANE, BIS-AMINOPROPYL DIMETHICONE (ufa!)

Microesferas de plástico (glitter e esferas esfoliantes)

Como já falamos nesse post aqui, as microesferas de plástico são pequenas esferas feitas de polietineno com a função esfoliante, normalmente presentes em produtos como creme dental e esfoliantes corporais e faciais. Outro produto que se enquadra nessa categoria é o glitter, muito usado nas maquiagens de carnaval. Esses produtos, após o banho, fluem diretamente da pia ou do chuveiro para os rios e oceanos, pois os sistemas convencionais de tratamento de esgoto não são capazes de reter essas partículas graças ao seu tamanho reduzido. Depois de pararem nos oceanos, ficarão por lá por algumas centenas de anos ameaçando a vida marinha. Só para se ter uma ideia do impacto, apenas um tubo de esfoliante facial pode conter 350000 microesferas. Diversos estudos já mostraram que as microesferas estão presentes em alta concentração em muitos de seus rios, e que esses plásticos são ingeridos por boa parte dos peixes, já que eles são confundidos como alimentos. Pior, esses microplásticos são verdadeiros ímãs de toxinas – isso significa que todos os peixes ingeridos pelos humanos muito provavelmente estão contaminados com esses plásticos e com toda a toxina atraída por eles. [3]

Pode vir escrito nas embalagens das seguintes formas: POLYETHYLENE (PE), POLYPROPYLENE (PP), POLYETHYLENE TEREPHTHALATE (PET), POLYMETHYL METHACRYLATE (PMMA) E NYLON (PA).

BHT e BHA

São conservantes muito utilizados nos cosméticos e também pela indústria alimentícia. Há uma suspeita de que são disruptores hormonais. Além disso, o BHA está na lista das substâncias químicas preocupantes da OSPAR Convention (The Convention for the Protection of the Marine Environment of the North-East Atlantic), por ser um bioacumulativo e por ser tóxico para os organismos aquáticos. Estudos mostram que o BHA pode causar mutações genéticas em anfíbios. O BHT também possui essas mesmas características. [4]

Pode vir escrito nas embalagens das seguintes formas:

BHT: DBPC; ADVASTAB 401; AGIDOL; AGIDOL 1; ALKOFEN BP; ANTIOXIDANT 29; ANTIOXIDANT 30; ANTIOXIDANT 4; ANTIOXIDANT 4K; ANTIOXIDANT KB; ANTRANCINE 8

BHA: ANTIOXYNE B; ANTRANCINE 12; EEC NO. E320; EMBANOX; NIPANTIOX 1-F; PROTEX; SUSTANE 1-F; TENOX BHA

Triclosan

O triclosan é um poderoso bactericida. Por isso, é usado em produtos de higiene. Porém, devido à sua potência, pode alterar a bioquímica dos anfíbios, peixes e plantas aquáticas. A União Europeia e o Canadá classificam esse ingrediente como um potencial tóxico para a biodiversidade marinha. Não se degrada facilmente, e por isso também tem uma tendência a se acumular.

Pode vir escrito nas embalagens das seguintes formas: 2,4,4′-TRICHLORO-2′-HYDROXY DIPHENYL ETHER; 5-CHLORO-2- (2,4-DICHLOROPHENOXY) – PHENOL; 5-CHLORO-2- (2,4-DICHLOROPHENOXY) PHENOL; PHENOL, 5-CHLORO-2- (2,4-DICHLOROPHENOXY) -; PHENOL, 5CHLORO2 (2,4DICHLOROPHENOXY) ; 2,4,4′-TRICHLORO-2′-HYDROXYDIPHENYL ETHER; 5-CHLORO-2- (2,4-DICHLOROPHENOXY) PHENOL; CH 3565; IRGASAN; IRGASAN DP300; PHENOL, 5-CHLORO-2- (2,4-DICHLOROPHENOXY)

Protetor solar químico

Diversos estudos mostram que ingredientes de protetores solares químicos como a oxibenzona são tóxicos para a vida marinha, sendo responsáveis pela diminuição das populações de corais ao redor do mundo. Concentrações altas desse composto foram encontrados em corais no Havaí e no Caribe. Ele é responsável por alterar o DNA dos corais e age como um disruptor endócrino. Os corais filhotes, na presença dessa substância, morrem rapidamente. Esse dano é causado até mesmo em concentrações baixíssimas de oxibenzona. [3]

Pode vir escrito nas embalagens das seguintes formas: BENZOPHENONE-3, (2-HYDROXY-4-METHOXYPHENYL) PHENYL- METHANONE; (2-HYDROXY-4-METHOXYPHENYL) PHENYLMETHANONE; 2-BENZOYL-5-METHOXYPHENOL; 2-HYDROXY-4-METHOXYBENZOPHENONE; 4-08-00-02442 (BEILSTEIN HANDBOOK REFERENCE) ; 4-METHOXY-2-HYDROXYBENZOPHENONE; ADVASTAB 45; AI3-23644; ANUVEX; B3; BENZOPHENONE, 2-HYDROXY-4-METHOXY

Essas são só apenas algumas das principais substâncias, pois a lista é grande. Outros ingredientes para se ficar de olho: tolueno (esmaltes e tinturas), fragrâncias sintéticas (praticamente todos os cosméticos), formaldeído (esmaltes, sabonetes e maquiagens), parabenos (praticamente todos os cosméticos), ftalatos (loções e sabonetes líquidos), octinoxate (produtos capilares, protetor solar e maquiagens), benzophenone, coal tar (presente em tinturas de cabelo), carbon black (maquiagens), ethanolamine (encontrado em praticamente todos os produtos), homosalate (protetor solar), e muitas outras. Todas elas se acumulam no ambiente e trazem consequências para a nossa biodiversidade. Para mais detalhes de cada ingrediente, a base de dados do EWG é uma fonte bastante confiável, e fornece dados relacionados à ecotoxicidade de todos os ingredientes cosméticos.

É importante ter em mente que somos responsáveis pelo que consumimos, pois nossos hábitos afetam tudo que está a nossa volta. Precisamos ler os rótulos dos produtos e identificar cada substância nociva para nós e para o planeta, e evitá-las ao máximo. Se você ver um ingrediente com um nome estranho no rótulo de um produto, pesquise e veja se ele é biodegradável ou não.

A natureza agradece!

[1] http://www.academicjournals.org/journal/AJB/article-full-text-pdf/E10A8E06603

[2] https://thecosmetist.com/silicones-in-cosmetics-are-they-dangerous/

[3] https://cvskinlabs.com/7-cosmetic-ingredients-that-are-bad-for-the-environment/

[4] https://www.ewg.org/skindeep/ingredient/700741/BHT/#.WxaxolMvwWo

Engenheira Química pela UFSCar, com pós graduação em Sustentabilidade pela Universidade da California em Los Angeles. Logo depois que terminou sua pós, começou a empreender na Jaci. Fez cursos de saboaria natural no Santo Sabão, se formou como aromaterapeuta pela Aromaflora e atualmente está fazendo a formação em Organic Skincare Formulation na Formula Botanica.

Deixe
seu comentário

X